NYRON - Bibliotecas . Arquivos . Museus by Wecul

Capa do livro    
Título/Resp.:

Diplomacia científica : saber é poder / Jorge Aranda

Autor(es):

ARANDA, Jorge

Publicação:

Lisboa: Edições Colibri, 2019

Desc.Física:

110 p. ; 20 cm

Notas:

Edição apoiada pelo Instituto Diplomático do Ministério dos Negócios Estrangeiros
Prefácio
1. Introdução
2. A diplomacia científica como vetor da política externa
2.1. Definição de diplomacia científica
a) Definição operacional
b) As três dimensões da diplomacia científica
2.2. Relação com outras vertentes da diplomacia
a) Diplomacia económica
b) Diplomacia povo-a-povo
c) Diplomacia pública
d) Outras vertentes da diplomacia
2.3. Evolução histórica da diplomacia científica
a) As Grandes Guerras
b) A Guerra Fria
c) O multilateralismo
d) O século XXI
e) O novo (des)equilíbrio de poderes
3. Operacionalização da diplomacia científica
3.1. A centralidade do papel dos Estados
a) Os Estados e o realismo
b) As organizações internacionais e o liberalismo
c) Os atores não-tradicionais e o construtivismo
3.2. A importância da definição de objetivos
a) Acesso
b) Promoção
c) Influência
3.3. A relevância dos instrumentos selecionados
a) Consórcios de colaboração científica
b) Acordos de cooperação científica
c) Estratégias de diplomacia científica
4. Estudo de casos
4.1. O caso alemão
4.2. O caso espanhol
4.3. O caso francês
4.4. O caso suíço
4.5. O caso português
5. Conclusão
5.1. Considerações teóricas
5.2. Recomendações práticas
Referências bibliográficas
Anexos
Quadro 1: Objetivos prioritários da Alemanha
Quadro 2: Objetivos prioritários de Espanha
Quadro 3: Objetivos prioritários de França
Quadro 4: Objetivos prioritários da Suíça
Quadro 5: Objetivos prioritários de Portugal
"Existe um modelo ótimo de diplomacia científica e, em caso afirmativo, como pode o mesmo ser replicado em Portugal? Tendo por base esta pergunta de partida, este estudo analisa os conceitos operacionais da diplomacia científica e as abordagens estratégicas de vários países europeus à mesma, com um duplo objetivo, simultaneamente teórico e prático: contribuir para o aprofundamento desta temática recente e para o desenvolvimento de elementos que possam servir à definição de uma estratégia nacional neste domínio. Numa primeira parte, é explorada a diplomacia científica como vetor da política externa e a evolução histórica do seu conceito. Numa segunda parte, são examinados os objetivos, instrumentos e atores da diplomacia científica. E numa terceira parte são estudados o caso português e as boas práticas de Alemanha, Espanha, França e Suíça. “A diplomacia científica tem vindo a assumir uma relevância crescente, decorrente da necessidade admitida por cada vez mais Estados de proceder a adaptações da respetiva ação externa com vista a dar uma melhor resposta quer à cooperação internacional requerida por desafios globais de natureza técnica, quer à concorrência internacional movida por outros Estados, que pretendem reforçar o seu poder e influência, bem como por outros atores não-estatais que, não competindo necessariamente pelo poder, procuram influenciar a governação. (…) O objeto da diplomacia científica é, assim, caracterizado pela coexistência de dois elementos aparentemente antagónicos – cooperação e competição – também denominada por co-opetition ou coopetição.”

DATA PUBLICAÇÃO:

2019

LÍNGUA:

POR

PAÍS:

PRT

Monografias  
COTALOCALIZAÇÃOCÓDIGO BARRASOBS.ESTADO
SE1307Sala dos Embaixadores - DAB300100034237 Livre
SE1308Sala dos Embaixadores - DAB300100034238 Livre